Tietê foi o vitorioso da ação “Por uma cidade navegável” este ano

Boa tarde pessoal,

 

Quem assistiu o jornal pela manhã deve ter visto essa reportagem. Numa disputa entre uma lancha e um automóvel para ver quem chegava primeiro ao destino, adivinhem! Claro, que a lancha chegou primeiro… Convenhamos que nem precisava fazer uma competição para saber disso com o trânsito caótico que temos em Sampa. De toda forma, a iniciativa valeu a pena e em tempos de “corrida política” é uma forma de abrir os olhos dos candidatos para que ações – realmente efetivas – para resolver esse problema sejam feitas.

Vamos à reportagem enviada pela Engaje Comunicação Inteligente:

 

Na manhã desta terça-feira, 18 de setembro, ocorreu a ação “Por uma cidade navegável”, idealizada pelo São Paulo Boat Show, maior salão náutico indoor da América Latina. Nesta segunda edição, a lancha venceu a disputa e deixou o carro para trás, parado no trânsito da capital. Em 2011, a lancha quebrou após cinco minutos da largada, devido à grande quantidade de lixo que travou os três motores.

A ação foi criada o ano passado com o objetivo de chamar a atenção, estimular e mobilizar a população e autoridades a unir forças e colaborar com o processo de limpeza dos rios. Este ano, Por uma cidade navegável ganhou também a função de fiscalizadora da das condições do Tietê. “Estamos comemorando a vitória do rio e de todos que contribuem para que um dia possamos voltar a navegar nele. Torcemos para que o mais rápido possível, ele possa ser mais uma via para desafogar o trânsito da cidade, assim como para lazer e tur ismo na nossa metrópole, como já aconteceu em várias cidades do mundo”, comenta Ernani Paciornik, organizador do São Paulo Boat Show e da ação Por uma cidade navegável.

Este ano, o desempenho do barco indicou considerável melhora nas condições do Tietê em relação ao ano passado. Neste aniversário do rio, que acontece em 22 de setembro, haverá bons motivos para comemorar. A lancha concluiu o trajeto em cerca de 1/3 do tempo que o carro levou para terminar o percurso.

O trajeto de 12,5 km, com a largada na Ponte das Bandeiras e  chegada na Ponte dos Remédios, foi feito em 12 minutos e 28 segundos pela lancha, da F1, 27 pés, com dois motores de popa de 200 cavalos cada. A velocidade média da embarcação durante o percurso foi de 60km/h e chegou até passou de 80km/h em alguns pontos. O carro, uma Mercedes 350 ML 63, levou 29 minutos e 58 segundos. O carro saiu na frente, mas cerca de 6 km após a largada, ou seja, na metade do trajeto, o trânsito parou e o motorista, André Ribeiro, ex-piloto da Fórmula Indy, viu a lancha ultrapassá-lo. A velocidade média do carro foi cerca de 25 km/h. “Foi a primeira ultrapassagem que comemorei. Afinal, significa a melhoria do rio. Também sou fã da navegação e gostaria muito que todos nós pudéssemos aproveitar o rio e os benefícios que ele pode nos oferecer na íntegra”, afirma Ribeiro.